30 de jun de 2009

Intensidade, intenção, tensão

Me abro, me entrego, me leva... me dôo sempre pra tudo que me tem valor, pra tudo que me convém, pra tudo que me comove... me abro demais, me escancaro e me demonstro, me mostro fraca, me mostro forte, me mostro sensível e delicada, me conto... me escuta... me preencho e me transbordo, me navego à deriva, me emociono e choro, me alegro e sorrio... me entenda, nada é tão simples quanto aparento, nem mesmo tão complicado, só me dedico ao que me detém, só detenho aquilo que posso... minha posse é pouco, meu poço é raso... e se me rasgo é pela pressa de me mostrar inteira... intensa... e se me grito é pela vontade de fazer ouvido, é meu sussurro, é meu gemido... me abraça, me cheira e me sente, sinto vontades o tempo todo, me sinto a vontade todo tempo... e o meu tempo é curto... e meus sonhos e meus surtos... e me faço insatisfeita, incapaz e perfeita... e me seguro e te asseguro que não vou, que não me partirei jamais... e me parto, me reparto e me entrego inteira... meu pedaço, minha metade, minha verdade é minha parceira... e me sinto e se paro penso "onde cabe tudo isso?"... não tenho nunca a intenção, é tenso, penso, dispenso, relevo, levo comigo intensidade, alegria, saudade e lamento... me encontro e me perco!

"E AO AMANHÃ A GENTE NÃO DIZ
E AO CORAÇÃO QUE TEIMA EM BATER
AVISA QUE É DE SE ENTREGAR O VIVER"

14 de jun de 2009

" - Tô com sede..."

E era verdade, eu juro... minhas cantadas costumam ser muito mais elaboradas que isso... era só uma pura e inocencte SEDE! Mas é lógico eu poderia ter pedido água pra Camila, que estava do meu lado... pq pra ele? Aquele malinha que me deixou numa van apertada na noite que tava com febre indo para o melhor carnaval da minha vida... (mas que no meio do caminho me transferiu para o micro-ônibus confortável)... Talvez pq ele fosse o organizador da casa? Talvez pq eu estivesse olhando pra ele de chapéu e óculos desde ontem com aquela cara de poucos amigos? Que seja...
- Tô com sede... tem água no isopor?
- Não. Quer que eu busque uma pra você?
- Quero... quanto custa?
- Um beijo...
Hesitei... é Carnaval pôxa, mas também não é aquele oba-oba... e sejamos espertas... pagamento só mediante a entrega do produto...
- A água antes.
- Não... o beijo...
- Não... a água...
Foi alguma coisa desse tipo... aquele lenga-lenga de quem faz mole, mas não entrega de bandeja.
-Tá bom... vou buscar a tua água...
- Ahhhh... brigada!
E então.. o BEIJO! Ué??? Antes da água? Pois é... eu sou péssima em negociações... e já disse que era só uma valorização do passe... hehehehehe... ele tava tão lindinho de chapéu de peão...
E essa foi só a primeira tarde do Carnaval em São Luiz do Paraitinga 2009... me valeu o feriado inteiro... e março, abril, maio, junho... e todos os outros meses que eu espero estar por vir...
E ali estamos nós, nós três: eu, ele e a bendita GARRAFA D' ÁGUA... deveria ter guardado... adoro lembrar o começo de tudo... pq quando somos despretensiosos é que talvez as coisas mais surpreendentes acontecem... como esta... era só um feriado doido, com uma gente desconhecida e uma sede inocente na praça do coretinho... nunca imaginei cena melhor para mudar completamente...
Te a...

"BEBEU ÁGUA?
TÁ COM SEDE?
OLHA, OLHA, OLHA, OLHA ÁGUA MINERAL
ÁGUA MINERAL, ÁGUA MINERAL..."

3 de jun de 2009

Conselhos da saudosa veterana...


"Se eu pudesse dar um conselho, somente um, acho que diria “usem filtro solar”... não, não diria isso, não sou o Pedro Bial nem a Denise Steiner.

Talvez não seja capaz de escolher uma única dica e em 6 anos, 72 meses, meus próprios conceitos mudaram muito, e para melhor.

Um apanhado de conselhos gerais me vem à cabeça, resumidos em verbos:

LEVEM: trote no primeiro dia, cerveja na cara, catchup na cabeça, levem na brincadeira, caderno na aula, cola no bolso, gravata no pescoço, levem o que for preciso a sério, mas não muito, jaleco no ambulatório, esteto também, amigos, colegas e momentos para sempre no coração e na memória.

ESCUTEM: o Luiz Pereira, o Luiz Henrique (se você entender o que ele diz), conselhos, dicas, broncas, funk, sertanejo e pagode (que você nunca terá coragem de colocar no rádio na presença de seus pais), a chamada, a nota, o colega atrás pedindo aquela questão, o Hino como se fosse a primeira vez (grite-o como se fosse a última).

ESQUEÇAM: a camiseta do Poliedro no fundo da gaveta, os Intocáveis do Objetivo na casa da sua mãe, o endereço do Anglo Tamandaré, as fotos da viagem para Porto Seguro, almoço com arroz, feijão, bife e batata frita, noites de sono na quinta-feira, noites de sono pré-prova, noites de sono na pré, noites de sono no plantão do Cachú, noites de sono em geral, daqui para frente, dormir será para os fracos.

SAIAM: debaixo das asas da mamãe, da casinha confortável, da vigia do papai, de perto dos amigos do colégio, da frente da TV, para dançar, para beber, para beber, para beber, beber e beber, saiam do casulo, do armário (abram suas asas... soltem suas feras).

CAIAM: na gandaia, entrem nessa festa... caiam de rir, de sono, de bêbado, de amores.

TRABALHEM: no Centro Acadêmico, na Atlética, no COMUMC, na Feira de Saúde, na Policlínica, na Toquinha, no Memorial Hospital of Luzia de Pinho Melo, na Comissão de Formatura, na Comissão de Trote, na Comissão da Kombi, na Farmacinha (e não esperem dinheiro e muito menos reconhecimento por nada disso).

CONTEM: histórias, mentiras, vantagem, segredos, fofocas, boatos, se o dinheiro vai dar até o fim do mês, se a nota vai dar no fim do semestre, se o namoro vai durar até semana que vem.

FAÇAM: trabalho científico, trabalho comunitário, trabalho remunerado, façam amizade com as enfermeiras e auxiliares, amigos de sala, colegas, med integração, abdominais e flexões (mas não exagerem), alguém feliz, alguém sorrir, uma alta hospitalar, uma receita médica correta, pedidos de exames, uma anamnese decente, façam a diferença.

LEMBREM: da chegada, do medo, do trote, das alegrias, das bebedeiras, das lições de vida, dos conselhos, dos descaminhos, das brigas, dos desaforos, das reconciliações, dos ex, dos atuais, dos afilhados queridos, dos amigos perdidos, dos amigos encontrados, dos amigos eternos, dos mestres, da dipirona e do benzetacil, das saudades, dos momentos únicos e de que esta é e sempre será a melhor fase de nossa vida.

No dia 9 de fevereiro de 2004, ao beijar o chão da Policlínica eu virei a “moranguinha” e hoje já não sei mais quem eu poderia ser.

Um último conselho: VIVAM E AMEM ESSA FACULDADE E NÃO SE ARREPENDAM JAMAIS, PORQUE VOCÊS ESTÃO NA MEDICINA MOGI, ONDE EU ME FORMAREI LOGO MENOS, E ME ORGULHO MUITO. FAÇAM ACONTECER E ABRACEM O MUNDO!!!"


Logo menos nos melhores jornais da Medicina Mogi....


E ENTÃO LUZ DE MINH'ALMA

QUANDO DISTANTE DE TI,

QUE SAUDADES DAS SAUDADES

QUE ANTECIPADAS SENTI.