15 de out de 2009

A dor do poeta...

O poeta não vive sem sofrer... fato! E não escreve também... A necessidade de estar mal talvez seja desculpa para escritor ruim (aquela verborréia que surge quanto ele chega ao auge da fossa), mas parece que realmente as canções ficam mais melódicas (e melancólicas) depois de uma dor, de cotovelo, de chifre... ou talvez você tenha mais paciência para entender a profundidade do poço de onde o autor recita quando você também está dentro dele... Nada toca mais o ser humano do que frases de amor, correspondido, desiludido, platônico... enfim... amar e ser amado é lindo! Amar e não ser amado é no mínimo inspira-dor...

Não vou contar nenhuma novidade ao dizer que o cantor Herbert Vianna, do Paralamas do Sucesso, sofreu um grave acidente de avião, onde sua esposa faleceu. Assisti essa semana o documentário "Herbert: de perto" e gostei do que ele disse sobre a esposa no fim, era algo assim... um pedido da Lucy: quando você for escrever sobre mim, não faça nenhuma daquelas músicas tristes que fazem todo mundo chorar, tá! Nossa música tem que ser sempre muito feliz (assim como eles eram...)

Depois que Lucy faleceu, ele escreveu:

"NÃO QUERO ESTAR NESTE LUGAR E VER VOCÊ PARTIR
EU QUERO TE ESPERAR AONDE VOCÊ QUER IR
TE RECEBER, TE ACOMODAR, TE OFERECER A MÃO
PODER CANTAR, TE ACOMPANHAR AO VIOLÃO

QUERO TE VER DE PERTO
QUERO DIZER QUE O NOSSO AMOR DEU CERTO."

...e eu chorei...

Um comentário:

Buzzy disse...

ai que liiiiiiiiiindo *----*
to te seguindo :D